BISON – Xenoblade Chronicles X: Ga Jiarg e Ga Buidhe

Xenoblade Chronicles X, um jogo sobre robôs gigantes e colonialismo em lugares inóspitos, só te dá o seu próprio robô gigante colonizador depois de jogar por umas trinta horas. É uma decisão deliberada, claro: os robôs permitem explorar o mundo de maneira muito mais eficiente devido a sua velocidade e o tamanho de seu pulo,… Read more »

Call of Duty: Advanced Warfare

Eu adoro o modo como Call of Duty: Advanced Warfare começa. A primeira missão é muito pessoal, mais que qualquer outra do resto da campanha, porém, ela é contraditória também: enquanto tenta alcançar esse nível de pessoalidade falando sobre o Soldado Comum E Seus Dramas ela também tenta manter uma certa distância dessa pessoalidade, jogando… Read more »

Tela-Título – Super Mario Kart: Mario Circuit 1

Este texto finalmente estreará o Tela-Título, um quadro para falarmos sobre fases. A ideia não é falar de especificamente de design de fases como se elas fossem um roteiro pré-determinado, apesar de ser mais ou menos o caso deste texto. Um detalhe curioso sobre o formato da análise é que eu nunca vi ninguém o… Read more »

O silêncio ubíquo em Destiny 2

O absoluto de qualquer coisa sempre irá transpor a moldura limitadora que é a percepção. Quando você começa a tentar colocar em palavras ou explicar sistematicamente esse absoluto, acaba encontrando mais barreiras do que caminhos: sua visão; sua linguagem; seu mundo; você. Esse “indizível” que se esconde por trás de tantos obstáculos é um sentimento,… Read more »

A Chuva de Breath of the Wild

A chuva, em nossa vida real, raramente é mais do que um incômodo. Ela não necessariamente torna partes de nossa rotina inviáveis, mas atrapalha um monte de coisinhas pequenas e acabam acumulando para tornar a nossa experiência diária mais miserável. Isso é bem triste, até, porque chuva é um negócio muito bonito, cria temperaturas agradáveis… Read more »

BISON – A família Baker de Resident Evil VII

Olá! Esse texto será a abertura de uma nova coluna no Juiz Cachorro: Bison. Será o nosso espaço para falar de forma menos holística sobre os jogos, visando um aspecto específico: lutas contra chefes. Em Silent Hill 4, quando você está navegando as “dungeons” pela primeira vez, sempre encontra outros personagens e os ajuda, na… Read more »

Max Payne e o Rifle Sniper

Muita gente que escreve sobre videogames deveria jogar Max Payne. Sabe aquela frase feita que desde Dark Souls já é mais repetida que fator replay, a “é difícil, mas não é injusto”? Assim como o fator replay, ela é só uma característica do jogo que foi elevada a elogio desde um vídeo do Extra Credits… Read more »

ÉON EM EOS: EXPLORANDO FINAL FANTASY XV

UMA INTRODUÇÃO CURTA, MAS IMPORTANTE Escrevi esse texto em Maio de 2017, alguns dias depois de terminar Final Fantasy XV, e essa é uma introdução curta, mas importante. Esse é um ensaio sobre subjetividade, sobre humanidade e sobre os silêncios que residem em ambos. Talvez também seja acerca das minhas doutrinas e rituais, mas, definitivamente,… Read more »

Mario + Rabbids: Kingdom Battle e preservação de identidade

Foram longos dias de ira internética desde o vazamento de algumas imagens de Mario + Rabbids: Kingdom Battle e seu anúncio oficial, durante a conferência da Ubisoft para a E3 2017. Eu costumo ser um tanto receptivo a ideias novas em jogos de videogame, mas ver o Mario usando uma arma e atuando em conjunto… Read more »

Kingdom Hearts: Chain of Memories

A being that is neither darkness nor light; belonging nowhere; abandoned by its heart; a mere shell of its former self. The relation between the heart and the body is complex. However, I am certain that if your self exists here, then by definition the other cannot truly “exist.” The other, the one which does… Read more »

  • CARTÃO AZUL

    Cartão Azul #01 – The Phantom Pain

    Posted on by

    Nesta primeiríssima edição do Cartão Azul, relembramos as nossas experiências com Metal Gear Solid V: Phantom Pain quase dois anos depois do seu lançamento (menos o Caio que na verdade jogou só agora). Duração: 77min Equipe: Caio Oricchio, Guilherme Alves, Kinho Costa e LucasQ Feed: Link  

  • E3 2017

    E3 2017

    Posted on by

    Já chegou a temporada de E3. Você pode negar a importância do evento, falar que ele não tem a mesma grandeza de outrora, mas deixar de admitir que Aquele Momento Do Ano chegou é fechar os olhos para a realidade. Rumores começam a vazar, informações de novos jogos começam a surgir discretamente e a conversa… Read more »

  • DEFAULT

    Watch Dogs 2

    Posted on by

    Acho que é razoável começar explicando o motivo de eu ter comprado Watch Dogs 2, em primeiro lugar. Sou um crítico inveterado da Ubisoft e nada foi mais Ubisoft em 2016 que Watch Dogs 2. Acontece que os dois jogos da série estavam em uma promoção razoável na loja do Xbox semana passada e ainda… Read more »

  • OUTROS

    The Legend of Zelda: Breath of the Wild e seu sistema de armas

    Posted on by

    Seria errado da minha parte dizer que este texto não se originou da análise do Jim Sterling de The Legend of Zelda: Breath of the Wild, texto que ficou mais conhecido por mostrar como a fanbase de Zelda é irritante de uma forma agressiva – eles tiraram o site do Jim do ar apenas pelo… Read more »

  • DEFAULT

    We ♥ Katamari

    Posted on by

    Katamari Damacy é um dos meus jogos favoritos. Eu gosto bastante dele, a ponto de desperdiçar mil oitocentas e não sei quantas palavras falando de como ele reúne muitas de minhas preferências em joguinhos. Passei bons tempos ponderando enquanto jogava We ♥ Katamari se eu gostava de Katamari ou Katamari Damacy, o jogo original. Sério,… Read more »

  • OUTROS

    Sobre Níveis de Dificuldade Viscerais

    Posted on by

    Esses dias eu publiquei um texto sobre Bleed 2, mas não descrevi como ele trabalha com os níveis de dificuldade porque isso ocorre da forma mais ortodoxa possível. A Wryn tem um poder de refletir tiros com a sua espada, desde que este tiro seja rosa. A cor oposta ao rosa no contexto do jogo… Read more »

  • DEFAULT

    Bleed 2

    Posted on by

    É complicado falar de Bleed 2 sem citar o primeiro Bleed porque Bleed 2 é uma extensão direta de seu antecessor em tudo. Com isso, quero dizer que daria perfeitamente para pegar as fases e eventos do segundo jogo e “colar” no final do primeiro, seguindo como se aquele corte não tivesse ocorrido. Parece um… Read more »

  • DEFAULT

    Shadow of the Colossus

    Posted on by

    Sobre Shadow of the Colossus, vazios e silêncios e os filmes do Peter Jackson.

  • DEFAULT

    Monster Hunter Generations

    Posted on by

    Uma vez, numa partida de Insurgency (um jogo de tiro em primeira pessoa, para vários jogadores, que basicamente tenta ser um Counter Strike Mais Realista), eu estava subindo um lance de escadas numa direção, e o próximo lance ia na direção contrária, como escadarias de prédio. Enquanto subia, apontei a arma para o próximo lance,… Read more »

  • DEFAULT

    Forza Horizon 3

    Posted on by

    Eu acho que tem alguém grande na Playground Games que fica puto demais com review de jogo, daqueles que fica cheio de vontade de calar a boca de todo mundo. O Forza Horizon 2 recebeu umas críticas com respeito a falta de customização do personagem, algo que deve ter incomodado rigorosamente zero pessoas sem a… Read more »